Quero ser empresário. E agora?

Ricardo e é de Arapongas-PR.

Quem é este rapaz?

Este rapaz da foto chama-se Ricardo e é de Arapongas-PR. Ele vende paçocas a 1 real cada em um semáforo da cidade para juntar capital de giro suficiente e poder abrir seu próprio negócio online. Assim como o Ricardo muita gente deseja empreender, mas tem muitas dúvidas sobre como fazer e o que é necessário para abrir a sua própria empresa.

 

Qual é seu desafio?

Aquilo que eu considero fundamental para qualquer aspirante a empreendedor é verificar se realmente o mercado está interessado nos produtos ou serviços a serem oferecidos. Em outras palavras, isto significa descobrir se o que vai ser vendido tem utilidade para as pessoas, que assim irão comprar uma quantidade destes produtos ou serviços suficiente para que a empresa seja lucrativa. Parece básico, mas é impressionante a quantidade de empresas que sucumbiram porque foram criadas com base em uma ideia que para o seu dono era fantástica – mas pela qual o público não estava disposto a desembolsar dinheiro. Um bom exemplo são as franquias de frozen yogurt: muitas abriram em um período de “febre”, mas em pouco tempo foi comprovado que as pessoas não achavam o produto tão atrativo e a maioria fechou as portas em pouco tempo.

Verificar se realmente o mercado está interessado nos produtos ou serviços a serem oferecidos

Como saber se o que você está querendo vender é interessante para o mercado? Pesquisa, muita pesquisa. Perguntar para a família, para os amigos, pedir que eles perguntem para os conhecidos e se possível usar ferramentas da internet que permitem disponibilizar questionários para o público em geral, via e-mail ou redes sociais. Caso as respostas apontem um interesse nítido das pessoas em (literalmente) comprar a sua ideia, você pode partir com segurança para os próximos passos.

 

Porque o Ricardo junta dinheiro?

E isto implica em outra dica fundamental, e que justifica todo o esforço do Ricardo em juntar dinheiro: é importantíssimo que o empreendedor tenha um capital de giro que permita tranquilidade no início do negócio. Isto é necessário porque leva um tempo após a abertura da empresa para as pessoas a conhecerem e para ela formar uma clientela suficiente para ser lucrativa. Será necessário divulgar bastante o negócio em sua fase inicial, fazer com que ele seja conhecido pelo maior número possível de potenciais clientes. Sem ter um capital de giro suficiente, o empresário não terá condições de investir adequadamente em divulgação, e – o que é pior – como dificilmente a empresa terá lucro logo no início a falta deste capital pode fazer com que ele tenha que recorrer a empréstimos ou financiamentos a juros altos, se endividando logo de início.

Porque o Ricardo junta dinheiro?

 

Em outros países

Em países desenvolvidos, como os Estados Unidos e a Europa, é muito difundido o conceito de venture capital e investidores anjo. São investidores que por acreditarem num determinado conceito de negócio colocam dinheiro em troca de uma participação na empresa, com a expectativa de obter o retorno deste investimento no futuro. No Brasil, entretanto, este conceito ainda está engatinhando e as formas de financiamento mais comuns ocorrem mesmo através dos bancos e seus elevados juros.

 

Fique de olho nos nossos próximos blogs

Nos próximos blogs, abordaremos as melhores formas de financiamento para quem necessita de capital de giro no estágio inicial de seu negócio e também boas práticas de gestão financeira que permitam a uma empresa operar de forma saudável, fugindo das complicações que implicam um endividamento no difícil mercado de crédito do nosso país.

Veja aqui também a reportagem do Comuniqueiro do Ricardo e Rodrigo.

Quer saber mais? Sinta-se a vontade para entrar em contato via contato@freelancerselect.com.br.

Rodrigo Leontino

Esses blogs sobre formas de financiamento são escritos por economista Rodrigo Leontino da AYN Consultoria e Assessoria Empresarial.